Acheter visitas, excursões, citypass,….
David Remazeilles
© David Remazeilles

Blaye, a cidadela de Vauban e muito mais...

Blaye, é uma impressionante cidadela de Vauban. Mas não só: aqui o estuário toma todo o seu lugar e desenha uma cidade cheia de surpresas. 

 

Cidadela de Vauban

A Citadel Roland de Roncesvalles está realmente enterrada em Blaye? Em todo o caso, na ausência de provas da sepultura, temos pelo menos a cidadela de Blaye, obra de Sébastien Le Prestre, Marquês de Vauban, que só por si vale mais do que um desvio. Não é por acaso: os romanos e depois os Duques da Aquitânia, que lá tinham o seu castelo, já tinham avistado este lugar onde um penhasco de 35 metros domina o estuário. Tanto que, quando se tratou de bloquear a entrada do estuário, foi aqui que Vauban instalou as suas fortificações. Em 1685, o castelo dos Duques da Aquitânia foi mantido e integrado na cidadela e a vila medieval foi arrasada até ao chão para construir estes 38 hectares de muralhas que se tornaram uma pequena vila de guarnição.

Hoje, há algo para todos os gostos: para os amantes da arte militar que admiram a inteligência desta construção onde cada muro protege outro, para os adeptos de locais majestosos onde as águas deste pequeno mar que é o estuário vêm lamber o fundo dos muros, ou simplesmente para aqueles que gostam de se perder no labirinto das fortificações.... 

Citadelle de Blaye - David Remazeilles
©David Remazeilles

A Fechadura do Estuário

Mas a "Fechadura do Estuário" não é apenas a Citadela. Duas outras fechaduras barram a entrada. Do outro lado do rio, no Médoc, fica Fort Médoc, em Cussac. Uma cidadela de dimensões mais modestas, quanto mais não seja porque, em vez de ser erguida sobre um promontório, é construída sobre um pântano. Portanto, não existe este labirinto de passagens subterrâneas que também faz o encanto da Cidadela. 
E como estes dois fortes não eram suficientes para cobrir todo o rio de 3 quilómetros de largura nesta altura, um terceiro foi construído numa ilha instável que teve de ser reforçada para construir o Forte Pâté, a última fortificação deste tríptico agora classificado como Património Mundial pela UNESCO com todo o trabalho de Vauban. 

Blaye - David Remazeilles
©David Remazeilles

 

O caminho para a Corniche

Vindo de Bordéus, a estrada de Corniche celebra a união entre a pedra com que se constroem as casas trogloditas ao longo dela, e o rio que alimentava os pescadores que ali viviam. Desde então, os pescadores reformaram-se, mas existe uma atmosfera quase tropical ao longo dos 12 quilómetros da estrada: o rio reduz as variações de temperatura, tanto mais que a falésia branca reflecte os raios solares e protege dos ventos mais frios. É Blaye sur Caraïbes e pode-se completar esta impressão de pirataria indo assaltar as ilhas agora desertas do estuário: Patiras, Bouchaud e Nouvelle estão ao alcance do barco da cidade. O maior arquipélago de França está fora da fortaleza... durante um pouco, nós abandonávamos... 

 

A gruta do par-não-para 

É uma das mais antigas grutas decoradas descobertas (1881) e é a única da Gironda. Mesmo que as suas condições de acesso sejam limitadas, corre menos riscos de ser fechado ao público do que os outros, uma vez que os desenhos que decoram as suas paredes são gravados e não pintados. O homem que descobriu esta caverna, François Daleau, passou 30 anos da sua vida a extrair meticulosamente 15.000 ferramentas e 6.000 ossos da caverna. Deve dizer-se que foi ocupada durante um período de quase 40 000 anos, primeiro pelos Neandertais, depois pelos Sapiens... uma espécie de casa de família. 

 

Costa de Blaye e Gastronomia 

Blaye é também conhecida pela sua vinha. Aqui há três denominações que se sobrepõem. O mais difundido, "Blaye - Côte de Bordeaux", alterna entre o vermelho e o branco seco. Depois, a "Côte de Blaye", um vinho branco seco cultivado em apenas um hectare. E finalmente a denominação "Blaye", reservada aos tintos cultivados por quinze châteaux em apenas 37 hectares. Uma diversidade de nomes que também faz eco de uma grande diversidade de solos. 

Vignoble de Blaye
©David Remazeilles

 

PLANOS BONS:

  • Para provar na Maison des Vins de Blaye, 12 cours Vauban, ou durante o open house, em meados de Abril.
  • Para comer uma dentada: Le Carma prepara a cozinha tradicional com um toque de originalidade.
  • Le Gavroche: um pouco afastado do porto, um dos endereços emblemáticos da cidade para pratos com um toque gastronómico.
     

Ver mais