loader
  • Imprimir
  • Aumentar o tamanho do texto
  • Diminuir o tamanho do texto

Mas geralmente ignora que atrás desta jóia do século XVIII, que é a Place de la Bourse, encontra-se o bairro de Saint Pierre, coração histórico da cidade, com as suas antigas ruelas pitorescas. Após a ruína da Burdigala romana, os habitantes refugiam-se no interior dum castro cujo centro será ocupado pelo actual bairro de Saint Pierre. A entrada do porto interior coincidia com a localização da Place Saint Pierre actual. Aqui, os navios carregados de mercadorias atracavam neste local antes de continuar para distribuir as mercadorias nas diferentes províncias, enquanto um grande número de comerciantes aqui prosperavam.

Foi sobre os destroços da antiga porta que se edificou nos inícios da Idade Média a primeira igreja. Os nomes das ruas evocam os ofícios doutros tempos: a Rue des Argentiers (joalheiros),a Rue des Bahutiers (comerciantes de cofres), a Rue du Chai des Farines (armazenistas de cereais)… No século XVI, as famílias burguesas instalavam-se aqui e a Cour des Aydes fazia as vezes de tribunal.

UM CONJUNTO ARQUITECTÓNICO ÚNICO

A acção decisiva dos Intendentes durante o século XVIII permite abrir o bairro para a Garonne e o seu porto. Ao fazer cair a muralha medieval vislumbra-se a Place de la Bourse, a Rue Royale e a futura Place du Parlement. Esta transformação deu a este bairro a sua riqueza arquitectural única. Não se pode deixar o bairro sem descobrir a surpreendente Place du Parlement onde se pode observar a continuidade dos programas aplicados pelos dirigentes locais, misturando construções e reconstruções idênticas desde 1760!

A PORTE CAILHAU, UMA ENTRADA REAL DA CIDADE

Construída em 1494 e com a altura de 35 metros, a monumental Porte Cailhau faz parte das muralhas da cidade. Desde as suas magníficas janelas em carvalho, podemos contemplar uma vista magnífica que se abre sobre a mais antiga das pontes de Bordéus: a ponte de pedra.

Nos vários pisos, uma exposição apresenta as ferramentas e os materiais que se utilizaram para construir a cidade. Uma montagem audiovisual realizada através de antigos vídeos, submergem o visitante no mundo dos trabalhadores da pedra.